domingo, 30 de janeiro de 2011

Carta de Scarllet.

Segunda-feira, 23 de Novembro de 1998, Porto Alegre - RS.

Meu querido Thiago,

Hoje estou lhe escrevendo só pra lembrar o quanto eu sinto a sua falta. Fiquei ansiosa pra receber uma carta sua, mas ainda não chegou carta alguma. Em Setembro foi o nosso aniversário de três anos juntos, você esqueceu. Tudo bem meu amor, eu entendo que o seu trabalho tome muito tempo, eu sei que você faz isso pro nosso bem.
Quando eu fiz dezoito anos, resolvemos nos casar. Sempre foi nosso sonho, lembra disso? Éramos tão felizes! Eu acreditava que nunca mais ficaríamos distantes, e hoje aí está você, trabalhando fora daqui. Eu lembro com exatidão daquele dia de chuva, quando você se foi. Você me beijou e prometeu me amar cada dia da sua vida. Você acariciou a minha barriga, e disse que voltaria logo pra ajudar a criar o nosso bebê. É uma pena você nunca ter visto o rostinho lindo dele de perto. Eu mostro as suas fotos pra ele falando quem é o papai, e ele sorri.
Falando nele, hoje o Diego faz um ano. O primeiro aninho de vida do nosso filho, eu gostaria que você estivesse aqui. Não sei bem como comemorar, ele ainda é pequeno demais pra entender o que é distância e saudade, mas de alguma forma ele sente isso. Eu sei que sente, porque as vezes ele fica sentado na nossa cama olhando pra sua foto na estante, com os olhinhos vidrados as vezes parece triste. Eu o abraço e encho de beijos, dou a ele todo o amor que posso, mas ele sente falta, a sua falta.
Há quase dois anos eu não te vejo. Eu sinto falta dos seus abraços. Sinto falta das coisas que faríamos juntos, Thiago. Sinto falta de ter você pra levar nosso filho ao parque, pra ensiná-lo a gostar de futebol. Lembro das suas palavras antes de partir: "Logo eu vou ver esse guri nascer, meu campeão!"
De alguma forma na hora em que o Diego nasceu, você esteve lá, mesmo de longe eu te senti ao meu lado. Ele é o presente mais bonito que você podia ter me dado. É a lembrança mais linda que tenho de você, porque ele é a sua cara. É um pedaço nosso. É o meu principezinho, é tudo pra mim. Um dia desses eu comecei a pensar no passado e quando quase chorava de saudade, vi aquele pedacinho de gente vindo em minha direção, meu amor, nosso filho já deu os primeiros passos. Eu queria que você estivesse aqui pra ver.
Mas tudo bem, eu sei que você vai voltar. Eu fico aqui sentada perto da janela olhando o Diego brincar e esperando o momento em que verei você entrar por aquele portão e nos abraçar.
Eu sei que é pra sempre.


Com amor, sua Scarllet.