quarta-feira, 13 de abril de 2011

'Cause the hardest part of this is leaving you.

Suas dores continuam também sendo minhas. Tanto tempo se passou! Mas as vezes penso que o tempo seja só uma forma de camuflar tanta vida perdida. É mais fácil matar tudo do que lutar, não é? Tudo depende do quanto você acredita.
Eu custo a entender o por quê a mente humana precisa de lembranças e cenas pra sentir o que o outro sente. Talvez enfeitar isso com palavras complexas seja uma forma de atingir coraçoes de pedra. Sendo assim, aí vai uma: Amor. Quer palavra mais complexa que essa? Existe não. Ninguém ainda entendeu. Você só sente. Às vezes sente com com calma, com eternidade de segundos. Tem gosto doce de saudade boa, entendes? Outras vezes o amor vem como uma espada cravada no teu peito. Tem gosto amargo, forte e com um gole te embreaga. É como o que eu sinto agora. O som da tua voz rouca ainda me incendeia a alma. Ainda deixa aquele nó na garganta e, que maldito nó!
Deixe-me viver, se ainda há alguma vida em mim. Se tivesses lutado... Mas temos que nos conformar com a inércia de um massante "se". Nós somos um "se", somos também aquela triste canção em "Si bemol". É, sempre.